sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

iminências do fim

a navalha fria no pulso quente

o sangue a escorrer

o esvair da pulsação,
dos sentidos

e a visão turva a se apagar



...apagar...



Nenhum comentário:

Postar um comentário