quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Amplidões desérticas

Não há vitória,

Não há final,
Tudo o que existe são perspectivas nulas

Um deserto de esperas eternas


A máquina acorrentou suas amplidões!


Suspire por outro ato indiferente:

Erga os braços, estique as mãos
E toque o vazio gelado
Sinta o abraço frio do nada

3 comentários:

  1. gostei do seu blog!! muito bons os textos..

    ResponderExcluir
  2. gostéy do seu Blog!!! Otimos poemas!!

    "Tudo o que existe são perspectivas nulas

    Um deserto de esperas eternas"

    muito bom'

    ResponderExcluir